Pessoas mais inteligentes apresentam risco aumentado de distúrbios psicológicos!

Thursday, 22 de October de 2020

É muito comum a ideia de que a inteligência está atrelada a uma série de ganhos pessoais! Acredita-se que pessoas mais inteligentes tendem a ter mais sucesso profissional, financeiro, etc. No entanto, alguns fatores negativos podem estar associado a inteligência, por exemplo, vocês sabiam que alguns estudos sugerem que pessoas mais inteligentes possuem mais tendência a desenvolver distúrbios psicológicos? Vamos então conhecer um pouco mais sobre isso!


Fonte: Conexão boas notícias (2017)


A alta inteligência é apontada como preditiva de resultados positivos, incluindo sucesso educacional e nível de renda. No entanto, pouco se sabe sobre as dificuldades vivenciadas por essa população. Especificamente, aqueles com uma alta capacidade intelectual possuem resultados excepcionais em vários domínios que podem predispô-los a certos distúrbios psicológicos, bem como, a condições fisiológicas que envolvem respostas sensoriais elevadas e respostas imunológicas e inflamatórias alteradas.

Você sabia que por exemplo, a mesma consciência elevada que inspira um artista intelectualmente talentoso a criar também pode impulsionar esse mesmo indivíduo entrar em depressão profunda?

Além disso, alguns estudos reuniram dados sobre alunos superdotados de uma escola pública e descobriram que as crianças superdotadas reagiam com respostas emocionais e comportamentais significativamente mais intensas ao ambiente do que aquelas de inteligência média. Devido em parte a esse aumento de consciência, aqueles com uma capacidade cognitiva superexcitável tendem à hiper-reatividade do sistema nervoso central o que pode levar a várias outras consequências psicológicas e fisiológicas.

Outros estudos demonstraram que uma resposta emocional intensa dos indivíduos ao seu ambiente pode levar ao aumento da ruminação e da preocupação. A ruminação prediz a cronicidade de transtornos depressivos e sintomas de ansiedade, incluindo o início dos novos. Com isso, demonstrou-se que um estilo cognitivo altamente ruminativo está associado ao aumento da vulnerabilidade à depressão maior e contribui para a gravidade dos sintomas. A preocupação é o processo cognitivo proposto subjacente ao transtorno de ansiedade geral (TAG), e, como acontece com a ruminação, aqueles que tendem a se preocupar com mais frequência e mais severamente têm pontuação mais alta em testes de inteligência. Com isso, percebe-se que que a inteligência verbal em particular é um preditor positivo de preocupação e ruminação, além de ser preditivo da gravidade de ambos os processos.

Dessa forma, percebe-se que o indivíduo altamente inteligente tem uma capacidade notável de ver e internalizar essas vastas incertezas, possibilidades e problemas. Esse dom pode ser um catalisador para o fortalecimento e a autorrealização ou pode ser um preditor de desregulação!!!

 

“Quanto maior se é, mais repetido se é. Platão, Aristóteles, Kant, quantos outros. Ainda se não calaram nos que deles falaram. E é possível que só se calem quando a espécie humana se calar.” (Vergílio Ferreira)

 


Referências
 
CHANG, Hsin-Jen; KUO, Ching-Chih. Overexcitabilities: Empirical studies and application. Learning and Individual Differences, v. 23, p. 53-63, 2013.
 
KARPINSKI, Ruth I. et al. High intelligence: A risk factor for psychological and physiological overexcitabilities. Intelligence, v. 66, p. 8-23, 2018.
 
PENNEY, Alexander M.; MIEDEMA, Victoria C.; MAZMANIAN, Dwight. Intelligence and emotional disorders: Is the worrying and ruminating mind a more intelligent mind?. Personality and Individual Differences, v. 74, p. 90-93, 2015.

The content published here is the exclusive responsibility of the authors.

Autor:

Livia Nascimento Rabelo

Support

livia@brainsupport.co









Social InteractionBrain StimulationResponse DevicesEye TrackingGame TheoryPhysiology and BehaviorConsciousness States ResearchPlasticity, nfb & nModnEdu & nDevTranslational EducationAttention & MemoryLanguage ProcessingLearning & MemoryNeuropoliticsSleepReligareCultural NeuroscienceMetacognition & MindSetDecision MakingHuman CompetenceNeuroscience of ConsciousnessSport & Motor BehaviorExecutive FunctionsFunctional ConnectivityPhysiology & BehaviorInhibitory Control & SwitchingNeuroArtNeuroPhilosophyChoice MechanismsNeuro-Glia InteractionsPriming EffectSelf PerceptionNeuroRightsPerception & ActionStress & CognitionSocial PreferencesInhibitory Control & SwitchingNeuroArt