Neurofeedback no transtorno de estresse pós traumático!

Saturday, 01 de August de 2020
O Neurofeedback ou Biofeedback de EEG surgiu na década de 60 como um método que usa o condicionamento operante para reciclar padrões de ondas cerebrais. Desde então, muitas pesquisas se aprimoraram sobre sua eficácia e aplicabilidade em diversas patologias, como por exemplo no tratamento de epilepsia, Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), ansiedade, alcoolismo, Transtorno do déficit de atenção hiperatividade (TDAH), transtorno de estresse pós-traumático, entre outros.

                                                                                            Fonte: Mundo de Psicologia (2018)

O Transtorno do estresse pós traumático (TEPT) têm início após um evento extremamente traumático e consiste em uma série de reações disfuncionais intensas e desagradáveis sempre que o trauma é lembrado, ou seja, a pessoa revive o episódio como se estivesse ocorrendo naquele momento, desencadeando as mesmas sensações de dor e sofrimento que o agente estressor provocou no passado. Essa recordação desencadeia alterações neurofisiológicas e cognitivas. Sendo assim, esse transtorno pode impactar negativamente os processos biofisiológicos, particularmente aqueles relacionados ao cérebro.

Uma forma inovadora e eficaz que veem demonstrando resultados significativos no TEPT é o Neurofeedback. Este tratamento utiliza neuromodulação autorregulatória com o objetivo de melhorar o funcionamento cerebral. Ele modula a atividade do cérebro por meio do monitoramento e feedback em tempo real dos sinais de EEG ou fMRI, ou seja, utiliza sensores que captam sinais elétricos dos neurônios, sendo decodificados e processados por um software especifico que é acompanhado pelo paciente em tempo real por meio de um computador. A partir de então, a pessoa vai aprendendo e sendo treinada a melhorar a atividade cerebral.


Diversos estudos encontraram resultados bem-sucedidos de neurofeedback no tratamento de TEPT, principalmente em pacientes que não responderam a outros tratamento. Pois, a atividade cerebral relacionada ao TEPT induzida repetidamente durante a sessão de feedback pode alterar sua frequência de aparência espontânea após a sessão, além disso, é indolor, não invasivo e sem muitas contraindicações. Falando nisso, na nossa plataforma dispomos de vários tipos de EEG que podem captar a atividade cerebral!!!



CHIBA, Toshinori et al. Current status of neurofeedback for post-traumatic stress disorder: a systematic review and the possibility of decoded neurofeedback. Frontiers in human neuroscience, v. 13, p. 233, 2019.
 
 
HAMMOND, D. Corydon. What is neurofeedback?. Journal of neurotherapy, v. 10, n. 4, p. 25-36, 2007.
 
PANISCH, Lisa S.; HAI, Audrey Hang. The effectiveness of using neurofeedback in the treatment of post-traumatic stress disorder: a systematic review. Trauma, Violence, & Abuse, v. 21, n. 3, p. 541-550, 2020.
 
SHALEV, Arieh; LIBERZON, Israel; MARMAR, Charles. Post-traumatic stress disorder. New England Journal of Medicine, v. 376, n. 25, p. 2459-2469, 2017.

The content published here is the exclusive responsibility of the authors.

Autor:

Livia Nascimento Rabelo

Support

livia@brainsupport.co

Data Phone: +55 84 98872-9484









EEG ERP BCIEEG fMRIEEGfor MRISocial InteractionHeadstages EPHYSEEG combinedBrain StimulationEEG ElectrodesResponse DevicesGame TheoryPhysiology and BehaviorEEG Data AnalysisEEG Electrode CAPsEEG CombinedMobile EEG NIRS applicationsnEdu & nDevMotivation, Emotion & CravingTranslational EducationAttention & MemoryLanguage ProcessingLearning & MemoryNeuropoliticsSleepAgingCultural NeuroscienceMetacognition & MindSetDecision MakingNeuroscience of ConsciousnessExecutive FunctionsFunctional ConnectivityPhysiology & BehaviorNeuroArtChoice MechanismsSelf PerceptionNeuroRightsPerception & ActionStress & CognitionNeuroArt