NEUROARQUITETURA - Utilizando o EEG para criar ambientes mais alegres e produtivos

Wednesday, 20 de May de 2020
A neuroarquitetura reside na interseção entre neurociência, psicologia e arquitetura e objetiva fornecer uma estrutura empírica para a criação de ambientes que possam otimizar o comportamento humano, a saúde e o bem-estar.
 
 
Os edifícios em que vivemos e trabalhamos têm um impacto na maneira como nos SENTIMOS, na forma como TRABALHAMOS e nos resultados que PRODUZIMOS. Dessa forma, é primordial um entendimento neurocientífico de como a arquitetura afeta nosso estado de espírito, pois o ambiente que estamos inseridos afeta diretamente nossas vidas.
 
Qual a importância de utilizar a neurociência para aprimorar os projetos arquitetônicos?
 
Através da neurociência, é possível mensurar as sensações humanas em decorrência dos ambientes, e portanto, construir uma melhor compreensão. Logo, pode-se realizar a coleta de dados fisiológicos, como frequência cardíaca, e dados de atividade cerebral com o eletroencefalograma (EEG), aumentando o poder de compreensão da resposta de um ser humano a ambientes construídos.
 
Um  novo  campo  de  estudos vem ganhando força, devido ao crescimento das técnicas da neurociência, chamado de NEUROARQUITETURA, que relaciona a função cerebral em áreas como a amígdala, hipocampo e córtex cerebral, e as condições físicas e o meio ambiente, como maneira de compreender respostas emocionais ao ambiente projetado.
 
 
A NEUROARQUITETURA busca identificar o impacto emocional e cognitivo das formas visuais e incorporá-lo ao projeto arquitetônico, dessa forma, ela revela como e por que nos conectamos fisiologicamente ao espaço. Estudos recentes [2, 3] mostram que um conjunto de estruturas no cérebro, envolvidas na experimentação de emoções e recompensas, também é ativado quando sentimos prazer em relação à arquitetura.
 
Apesar de parecer nova, a idéia de desvendar como o cérebro humano reage a diferentes formas e imagens não é novidade. Por exemplo, a ressonância magnética funcional (fMRI) utiliza imagens há muito tempo para provocar diferenças na atividade cerebral. A arquitetura depende de estímulos visuais para conceber, projetar, apresentar e até experimentar ambientes [4].
 
Através da simulação de experiências arquitetônicas por meio do uso da realidade virtual (RV) e EEG, pesquisadores do Irã buscaram entender o impacto emocional que as formas têm nos ambientes. Enquanto as pessoas caminhavam naturalmente por diferentes formas interiores em RV, observou-se que houve um forte impacto das geometrias da curvatura na atividade no córtex cingulado anterior (ACC), uma região envolvida na regulação da emoção. A curvatura, que também foi percebida mais positivamente, mostrou maior sincronização teta, dando credibilidade à ideia de que a arquitetura realmente afeta nossa percepção em um nível biológico. O córtex cingulado posterior e o lobo occipital estavam envolvidos na percepção de diferentes perspectivas da sala durante o passeio pelas salas. Este estudo oferece a oportunidade de estudar a dinâmica do cérebro humano em participantes que exploram ativamente e experimentam realisticamente os espaços arquitetônicos. [5].
 
O que podemos extrair sobre os espaços em que vivemos e trabalhamos e como isso pode impactar nossa própria consciência do meio? Podemos imaginar um futuro em que seja possível construir nosso ambiente para otimizar nossas alegrias e produtividade, por exemplo. Abre-se então, um mundo de possibilidades.
 
Referências
[1] DEVLIN, A. S.; ANDRADE, C. C. Quality of the Hospital Experience: Impact of the Physical Environment. In FLEURY-BAHI,  G.;  POL,  E.;  NAVARRO,  O.  (Orgs.). Handbook  of  Environmental  Psychology  and  Quality  of  Life  Research/  International Handbooks of Quality-of-Life. Switzerland: Springer International Publishing, 2017. 
[2] https://sapienlabs.org/neuroarchitecture
[3] http://www.rocagallery.com/the-built-environments-new-frontier
[4] https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/17508975.2013.807767
[5] https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29033807

The content published here is the exclusive responsibility of the authors.

Autor:

Eric Rodrigues

#eegerpbci #eegfmri #eegnirscombined #eeglatam #mobileeeg #eegdataanalysis #formri #eegelectrodecaps #nirsbcineurofeedback #eegnirseyetracking #eegactiveelectrodes #attentioncontrolconsciousness #eegerpbci #eegfmri #eegnirscombined #eeglatam #mobileeeg #eegdataanalysis #formri #eegelectrodecaps #nirsbcineurofeedback #eegnirseyetracking #eegactiveelectrodes #attentioncontrolconsciousness