Existe um jeito certo de se relacionar com seus filhos?

Thursday, 21 de January de 2021

Convivência entre pais e filhos nunca foi um assunto “tão fácil”, e, com a pandemia e as restrições e isolamentos necessários a ela demandou uma convivência bem maior entre as famílias. Isso significa que muitos pais estão passando mais tempo do que nunca com seus filhos. Mas como você transforma esse momento em um relacionamento mais saudável? Novas pesquisas, usando espectroscopia de infravermelho próximo funcional (fNIRS) mediram simultaneamente a atividade cerebral de pais e filhos, e, oferecem alguns insights.



Fonte: o segredo do bem estar (2015)

Interagir com os outros, até mesmo parentes, não é uma tarefa fácil! Para que conseguimos ter uma interação efetiva devemos estabelecer uma conexão emocional e ter uma certa afinidade com a pessoa. Alguns estudos veem mostrando que isso funciona melhor se coordenarmos nosso comportamento e respostas corporais. Mas, uma coisa interessante é que temos uma tendência natural de entrar em sincronia com os outros. Por exemplo, nós automaticamente imitamos uns aos outros - com exemplos clássicos, é bocejos, risos, além disso, também nos envolvemos em padrões complexos de olhar ou toque coordenado.

Até sincronizamos socialmente nossa fisiologia, por exemplo, por meio nós acabamos alinhando batimentos cardíacos, secreção de hormônios (como o cortisol e a oxitocina). Quando nos relacionamos com outras pessoas, é como se todo o nosso corpo se engajasse. Ou você nunca ouviu falar que meninas que convivem juntas tendem a menstruar na mesma data? Nossos corpo é uma máquina que trabalha em muuuuuuita sincronia! E essa sincronia nos permite sentir e pensar de maneira coordenada, isso se chama de sincronia biocomportamental. Achados interessantes demonstram que durante a infância, estar em sincronia com os outros também é vital para o desenvolvimento social, emocional e cognitivo.

Sabendo disso, pesquisadores começaram tentar entender o que acontece com o cérebro quando as pessoas interagem. Dessa forma, eles usaram espectroscopia de infravermelho próximo funcional (fNIRS) para medir a atividade cerebral enquanto as pessoas estão fazendo várias tarefas. A sincronia surge é encontrada quando há diminuições e aumentos alinhados na mesma área do cérebro aproximadamente ao mesmo tempo (sincronia cérebro cérebro).


Fonte: Dicas de mulher (2015)

 

E o que isso tem a ver com pais e filhos? Um estudo revelou que a sincronia cérebro a cérebro aumenta quando mães e pais interagem com seus filhos, especialmente quando brincam juntos, resolvem problemas, como quebra-cabeças, fazem atividades escolares, etc. É significativo que quanto mais forte a sincronia cérebro a cérebro, maior o poder de resolução eles terão. Também foi possível identificar um aumento da sincronia cérebro a cérebro em mães e seus filhos quando falam uns com os outros.

Sendo assim, e simples envolvimento em atividades com os filhos, como resolver problemas brincando ou simplesmente conversando, deve, portanto, ser sempre visto pelos pais como uma oportunidade para fortalecer o vínculo pais-filho e ajudar seus filhos a desenvolver habilidades sociais, emocionais e cognitivas vitais.

Com isso, é possível perceber o quanto a presença e interação dos pais durante desenvolvimento infantil é necessária, e a necessidade de capacitá-los a passar e desfrutar mais tempo com seus filhos. Dessa forma, outros estudos poderiam ser desenvolvidos utilizando interação pais-filhos em períodos diferentes do ciclo vital, para avaliar se quanto mais precoce for feita essa interação mais efetiva será.

 


 Referências

CZESZUMSKI, Artur et al. Hyperscanning: a valid method to study neural inter-brain underpinnings of social interaction. Frontiers in Human Neuroscience, v. 14, p. 39, 2020.
 
HOEHL, Stefanie; FAIRHURST, Merle; SCHIRMER, Annett. Interactional synchrony: signals, mechanisms and benefits. Social Cognitive and Affective Neuroscience, 2020. 

The content published here is the exclusive responsibility of the authors.

Autor:

Livia Nascimento Rabelo

Support

livia@brainsupport.co









NIRSSync LabSocial InteractionHeadstages EPHYSBrain StimulationStimulus PresentationsTMS researchResponse DevicesElectrodes EPHYSGame TheoryPhysiology and BehaviorConsciousness States ResearchPlasticity, nfb & nModMobile EEG NIRS applicationsnEdu & nDevMotivation, Emotion & CravingTranslational EducationAttention & MemoryLanguage ProcessingLearning & MemoryNeuropoliticsSleepReligareCultural NeuroscienceMetacognition & MindSetDecision MakingHuman CompetenceNeuroscience of ConsciousnessExecutive FunctionsFunctional ConnectivityPhysiology & BehaviorInhibitory Control & SwitchingNeuroPhilosophyChoice MechanismsNeuro-Glia InteractionsPriming EffectSelf PerceptionNeuroRightsPerception & ActionStress & CognitionSocial PreferencesInhibitory Control & Switching