Excesso de exercício físico induz fadiga cognitiva

Wednesday, 28 de October de 2020

É sabido que o exercício físico traz diversos benefícios a seus praticantes, entretanto, a sobrecarga de exercício resulta em fadiga muscular, e, consequentemente uma redução da performance física. Além disso, um novo estudo percebeu que esse excesso de exercício também induz a uma fadiga cognitiva!!!


Fonte: Bodytech (2016)


Após um treino exagerado, esses pesquisadores perceberam uma redução da atividade cerebral no córtex pré-frontal e também uma maior impulsividade no processo de tomada de decisão. Com isso, percebeu-se que o treino excessivo tem um efeito semelhante a um período prolongado de trabalho intelectual no cérebro, induzindo uma fadiga cognitiva.
Essa fadiga cognitiva induzida pelo exercício é chamada de síndrome de overtraining, que é uma forma de esgotamento resistência e queda no desempenho associada à intensa sensação de fadiga semelhante a síndrome de Bournout, sendo geralmente é encontrada em atletas.

Um estudo envolvendo ressonância magnética funcional (fMRI) demonstrou que o sistema de controle cognitivo é suscetível à fadiga quando ocupado por um período tão longo quanto um dia de trabalho. A demonstração envolveu tarefas cognitivas intercaladas destinadas a induzir a fadiga e tarefas de escolha destinadas a revelar fadiga.

Nos resultados, perceberam uma evidência causal para uma ligação funcional entre exercício físico prolongado e controle cognitivo exercido. Além disso, o conceito de fadiga do controle cognitivo une as consequências funcionais do treinamento físico excessivo e do trabalho intelectual em um único mecanismo neuro-computacional, que pode contribuir para outras formas clínicas de síndromes de burnout. que foi capturado por um viés favorecendo recompensas imediatas em vez de atrasadas em nosso modelo computacional. No nível neural, a sobrecarga de treinamento resultou na diminuição da ativação do córtex pré-frontal lateral, uma região-chave do sistema de controle cognitivo, durante a escolha econômica. Nossos resultados, portanto, fornecem evidência causal para uma ligação funcional entre exercício físico prolongado e controle cognitivo exercido. 


Referências

BLAIN, Bastien et al. Neuro-computational impact of physical training overload on economic decision-making. Current Biology, v. 29, n. 19, p. 3289-3297. e4, 2019.

ENGLERT, Chris. The strength model of self-control in sport and exercise psychology. Frontiers in Psychology, v. 7, p. 314, 2016.

MURAVEN, Mark; BAUMEISTER, Roy F. Self-regulation and depletion of limited resources: Does self-control resemble a muscle?. Psychological bulletin, v. 126, n. 2, p. 247, 2000.

The content published here is the exclusive responsibility of the authors.

Autor:

Livia Nascimento Rabelo

Support

livia@brainsupport.co









EEG fMRISync LabSocial InteractionBrain StimulationStimulus PresentationsTMS researchResponse DevicesPhysiology and BehaviorConsciousness States ResearchPlasticity, nfb & nModMotivation, Emotion & CravingTranslational EducationAttention & MemoryLanguage ProcessingLearning & MemoryNeuropoliticsSleepAgingReligareCultural NeuroscienceMetacognition & MindSetDecision MakingHuman CompetenceNeuroscience of ConsciousnessSport & Motor BehaviorExecutive FunctionsFunctional ConnectivityPhysiology & BehaviorInhibitory Control & SwitchingNeuroArtIonic MovementsPriming EffectSelf PerceptionNeuroRightsPerception & ActionStress & CognitionSocial PreferencesInhibitory Control & SwitchingNeuroArt