Como os alimentos que comemos influenciam na depressão?

Monday, 14 de September de 2020

A alimentação é vital para sobrevivência das espécies, é através dela que provém a energia que necessitamos para desempenhar todas nossas atividades. A comunidade cientifica sempre deu atenção a influência do que comemos em nossa saúde física, entretanto, mais recentemente, pesquisas veem se preocupando com a forma que esta intervém na nossa saúde mental. Também descobriu-se que a comida pode influenciar no nosso humor. Sendo assim, algumas condições psiquiátricas como a depressão, por exemplo, que afeta um número significativo de pessoas, pode ser diretamente afetada pelo que escolhemos ingerir. Essas ideias podem oferecer estratégias para ajudar na prevenção e/ou tratamento de pessoas com problemas de saúde mental.

                                                                                           Fonte: Biopsico (2020)


A depressão é um problema de saúde mental que afeta diretamente o nosso humor e a forma como nos sentimos. Sua prevalência é alta, afetando em torno de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. Esta, afeta partes significativas do cérebro responsáveis pela forma que nos sentimos, pensamos e nos comportamos. Embora a tristeza faça parte dos sentimentos normais que experenciamos em vários momentos, as pessoas que possuem depressão tem uma sensação contínua de tristeza ou baixo-astral que não cessam e muitas vezes não possuem uma causa aparente, fazendo a pessoa perder o interesse por atividades que antes gostava.

Além disso, uma pessoa depressiva pode ter sentimento de culpa, baixa autoestima, alterações nos padrões de sono, ou mesmo ter ALTERAÇÕES NO APETITE. Diante do tanto de sofrimento que essa patologia causa e das sua alta prevalência, é importante encontrar maneiras de ajudar a prevenir seu aparecimento e desenvolvimento na população. Além das formas de tratamento mais conhecidas, como terapia psicológica e uso da farmacologia, uma atividade diária e essencial para a sobrevivência - a alimentação pode ajudar na prevenção e tratamento da depressão.

Os alimentos que ingerimos possuem uma ampla variedade de macro e micronutrientes. Os macronutrientes são nutrientes essenciais na nossa dieta, estes incluem os carboidratos, lipídios e proteínas. Os micronutrientes são nutrientes que precisamos em quantidades menores, incluindo as vitaminas e minerais. Além destes, também precisamos de agua, fibras e antioxidantes. E JUNTOS ESSES COMPONENTES CONTRIBUEM PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO CORPO HUMANO! E o que isso tem a ver com saúde mental? Ideias mais recentes sugeriram que os componentes presentes nos alimentos podem influenciar diretamente no nosso humor, consequentemente, na depressão. Além disso, a própria depressão pode influenciar nossas escolhas alimentares.

Os estudos veem mostrando que um padrão alimentar saudável, como por exemplo uma dieta de estilo mediterrâneo, pode ter um efeito positivo na saúde mental. Isso inclui frutas, vegetais, frutas, nozes, grãos integrais, sementes, azeite de oliva, legumes e quantidades equilibradas de carne magra, peixe e laticínios. Também dietas com baixo teor de açúcar, gorduras e rica em antioxidantes. A figura abaixo mostra um padrão alimentar típico. 

                                                                                Fonte: EATON, FIRTH, SARRIS (2020)

Algumas pesquisas também demonstraram uma ligação entre sintomas depressivos e padrões alimentares não saudáveis. Dietas poucos saudáveis incluem alimentos ultraprocessados, alto teor de açúcar, sal e gorduras. Outros estudos sugeriram que a escolha de alimentação saudável tem o potencial de tratar a depressão. Embora ainda não saibamos relatar diretamente como a comida afeta no humor, é perceptível que a função de determinados componentes presentes nos alimentos tem esse poder.

“Descobrimos que existem cada vez mais evidências da associação entre uma alimentação ruim e a piora dos transtornos de humor, inclusive dos de ansiedade e depressivos”, (Dra. Suzanne L. Dickson, Ph.D., do Instituto de Neurociência e Fisiologia da Gotebörgs Universitet, na Suécia).


Referências

BIOPSICO. Disponível em: http://biopsico.com.br/site/2020/02/17/alimentacao-e-saude-mental-quais-sao-as-evidencias-ate-aqui/. Acesso em: 14/09/2020.

EATON, M; FIRTH, J; SARRIS, J. Nutrition and Mental Health—How the Food We Eat Can Affect Our Mood. Front. Young Minds. 8:115, 2020. Doi: 10.3389/frym.2020.00115.

FIRTH, Joseph et al. The effects of dietary improvement on symptoms of depression and anxiety: a meta-analysis of randomized controlled trials. Psychosomatic medicine, v. 81, n. 3, p. 265, 2019.

JACKA, Felice N. et al. A randomised controlled trial of dietary improvement for adults with major depression (the ‘SMILES’trial). BMC medicine, v. 15, n. 1, p. 1-13, 2017.

LIM, Grace Y. et al. Prevalence of depression in the community from 30 countries between 1994 and 2014. Scientific reports, v. 8, n. 1, p. 1-10, 2018.

The content published here is the exclusive responsibility of the authors.

Autor:

Livia Nascimento Rabelo

Support

livia@brainsupport.co









Sync LabSocial InteractionHeadstages EPHYSBrain StimulationStimulus PresentationsResponse DevicesGame TheoryConsciousness States ResearchPlasticity, nfb & nModMobile EEG NIRS applicationsnEdu & nDevMotivation, Emotion & CravingTranslational EducationAttention & MemoryLanguage ProcessingLearning & MemoryNeuropoliticsSleepAgingReligareCultural NeuroscienceMetacognition & MindSetDecision MakingHuman CompetenceNeuroscience of ConsciousnessSport & Motor BehaviorExecutive FunctionsFunctional ConnectivityPhysiology & BehaviorInhibitory Control & SwitchingNeuroPhilosophyChoice MechanismsNeuro-Glia InteractionsPriming EffectSelf PerceptionNeuroRightsPerception & ActionStress & CognitionInhibitory Control & Switching